Isolamentos térmicos e acústicos

Isolamentos térmicos e acústicos para moradias e edifícios

Tem a noção de que as casas e outros edifícios consomem demasiada energia? Eles são - a nível mundial - os grandes consumidores de eletricidade e gás, o que os torna também os grandes responsáveis pelas emissões de gases de estufa - CO2 - para o planeta. Mas não tem de ser assim!!

Um dos grandes passos para reduzir o consumo de energia nas casas e locais de trabalho passa pela colocação de altos níveis de isolamento térmico. Os nossos edifícios, em Portugal, de forma geral estão mal isolados quer termicamente a nível de paredes, telhados, tetos e pisos, quer a nível das suas janelas e portas. Isolá-los termicamente a esses níveis é uma questão crucial em termos de conforto, mas também em termos energéticos e ambientais.

Nas nossas casas devemos sempre ter materiais que nos protejam de temperaturas extremas, de humidade e de ruído.

Achamos ser importante informá-lo sobre os tipos de materiais de isolamento que pode escolher, para que possa descobrir quais as suas necessidades e lidar com os vários problemas com que se pode vir a deparar-se.

É também muito importante apresenta-lhe os prós e os contras de cada opção, para que fique com uma ideia genérica das várias soluções técnicas e qual é a mais indicada para o seu caso, não só em termos de isolamento, mas também no que diz respeito à economia de energia.

Existem muitos fatores que afetam a escolha destes materiais, incluindo o gosto do comprador, a durabilidade, o potencial tóxico, a eficiência em relação ao que é necessário isolar e o impacto ambiental.

Alguns materiais combinam várias propriedades diferentes, de modo que, com apenas um produto, possa resolver mais do que um problema, e isso mostra a vantagem que pode tirar de um estudo cuidadoso acerca das características dos materiais de isolamento que o mercado nos oferece.

No mercado há uma variedade de produtos normalmente usados no sistema de isolamento de uma casa. Paralelamente aos materiais massificados, geralmente usados por empreiteiros e construtores, há também materiais mais amigos do ambiente que se começam a afirmar, sendo frequentemente escolhidos por particulares que se lançam individualmente na pesquisa rumo a ambiciosos projectos de isolamento dos seus lares.

De seguida, enumeraremos os melhores materiais para efectuar o isolamento do seu lar.

Poliuretano

O poliuretano tem aplicações um pouco específicas (são aplicados sobretudo a nível de tetos), nas fundações ou em superfícies irregulares. Ele tem a desvantagem de não ser reciclável, no entanto a sua utilização como isolamento térmico e acústico é muito frequente na construção civil, pois é um material usado como isolante em diversas formas.

A sua utilização também é importante no enchimento de espaços que necessitam de ser isolados, ou mesmo para a criação de sistemas de ar condicionado mais eficientes. Este material impede as infiltrações de ar e funciona muito eficazmente quer em temperaturas altas quer em temperaturas baixas, ajudando a eliminar a formação de condensação e de humidade.

Poliestireno (extrudido ou expandido)

É um dos melhores materiais para isolamento térmico e é muito utilizado para climatizar casas e edifícios, visando uma economia de energia que pode chegar até 60%, minimizando as emissões de gases de efeito de estufa.

Dada a sua durabilidade, fornece um isolamento de qualidade, contra ruído e perdas energéticas por muito tempo. Entre as suas qualidades estão a resistência à humidade e aos processos de putrefação.

Por oposição, a sua maior desvantagem é ser um derivado de um recurso não renovável, como o petróleo, mesmo sendo produzido com um processo que não prejudica a camada de ozono, sendo 100% reutilizável e reciclável e podendo ser queimado com segurança.

Espuma em spray

O isolamento com espuma em spray é usado, antes de mais, para criar uma “barreira de ar” na casa. Quer isto dizer que é um material óptimo para usar no interior da casa, no preenchimento de pequenas rachas e brechas que podem provocar fugas de ar, sendo também muito utilizado nas zonas em redor das janelas.

Curiosamente, embora contenha plástico, a esferovite, quer seja aplicada em painéis ou na forma de espuma em spray, é considerada “amiga do ambiente” pela sua durabilidade e por permitir uma grande economia de energia. Tem ainda como vantagens o facto de ser reciclável e de poder ser aplicada em qualquer superfície da casa.

Fibras de plástico ou Barreiras pára-vapor

Entre os melhores materiais para o isolamento encontra-se este material plástico utilizado para, literalmente, “embrulhar” a casa. Estas barreiras são muito eficazes a minimizar a passagem de vapor de água e os problemas de condensação interna. Resumindo, protegem com bastante eficácia, as paredes da humidade que vem do exterior, ajudando a mantê-las secas, mas simultaneamente deixa haver respiração do interior para o exterior.

Quando falamos de isolamentos térmicos significa que podemos criar uma barreira entre duas áreas da casa ou entre o lado de fora e as áreas que queremos proteger.

Em geral quase todos os materiais dificultam a dispersão de calor entre as diferentes áreas da casa, ou mesmo entre elas e o exterior, no entanto alguns são mais eficazes do que outros, e portanto são classificados como isolantes térmicos, porque eles executam esta função melhor do que outros.

Elas, geralmente, são muito eficazes na prevenção da dispersão de calor e a sua principal qualidade é que com uma pequena espessura conseguirá uma elevada eficiência térmica. Também imobilizam o ar seco permitindo assim um controlo mais eficaz da temperatura, que é precisamente aquilo que precisamos numa casa ou nas suas divisões.

Lã de rocha ou lã mineral

A lã mineral ou de rocha é produzida a partir de rochas vulcânicas e é usada como isolamento térmico, bem como proteção passiva contra o fogo.

Tem uma estrutura fibrosa que armazena o ar no seu interior. É composta de pedra basáltica e de uma ligação orgânica entre componentes menores.

Pela sua baixa condutividade térmica é eficaz a isolar tantos a baixas temperaturas como as altas e, em virtude da sua estrutura multidirecional e elástica, é capaz de dissipar a energia do som, proporcionando um bom isolamento acústico. É um material não-inflamável e pode manter as suas características inalteradas, mesmo quando exposto a temperaturas acima de 1000 ºC.

Argila expandida

A argila expandida é produzida para uma vasta gama de aplicações, a sua utilização possibilita uma maior economia de energia, conforto térmico e acústico e proteção do ambiente. Com a vantagem de peso leve, de elevada permeabilidade e durabilidade, excelente isolamento acústico e propriedades de isolamento térmico, a argila expandida é um bom agregado para uso em uma variedade de aplicações como a regularização e isolamento de pisos.

É também um produto ambientalmente correto composto principalmente de argila natural, não é suscetível ao ataque químico, podridão ou geada e tem uma longa vida útil.

Analisámos o plástico ou o isolamento sintético produzido a partir de petróleo, mas devemos lembrar que há também uma grande variedade de materiais isolantes de origem natural que são tão eficazes como os outros.


Celulose

A celulose é um material amigo do ambiente, usado na construção como um isolamento térmico e acústico e é um dos melhores materiais para efectuar o isolamento de pisos e paredes interiores (embora possa ser usado em praticamente qualquer zona ou superfície da casa). É feita de jornais reciclados, aos quais são adicionados retardadores de fogo durante o processo de produção.

É, essencialmente, um isolante para o inverno e tem grande capacidade de reter calor, mas funciona também como um excelente isolamento acústico em virtude da sua porosidade.

É aplicado seco ou molhado, projectado ou insuflado com máquinas específicas, preenchendo os espaços vazios nos edifícios. Usada há muitos anos para isolamento, a celulose é frequentemente o material escolhido por quem nutre preocupações ambientais.

O seu preço é competitivo em relação ao de outros materiais, tal como a lã mineral ou lã de rocha, podendo revelar-se uma escolha mais eficiente a nível da poupança de energia (o que, a longo prazo, poderá ser também notório nas suas finanças).

Fibras naturais

Estes materiais são essencialmente constituídos por substâncias de origem vegetal ou animal e são fáceis de reciclar e reutilizar, com um baixo impacto ambiental. Como fibras naturais de origem vegetal temos:

  • fibra de madeira - feita a partir de restos de serrações que são reciclados e utilizados na construção como isolante térmico;
  • fibra de cânhamo - proveniente de uma planta que cresce rápida e facilmente, e que é utilizada em painéis flexíveis utilizados na construção para a instalação de paredes, pisos e coberturas;
  • fibras de linho - provenientes de plantas de fácil cultivo e produzidas através de processos com baixo impacto ambiental;
  • fibras de côco - que se apresenta como um bom isolamento térmico e acústico;
  • algodão - também obtido de plantas fáceis de cultivar e muitas vezes é aproveitado das sobras da confecção de vestuário em ganga, tem propriedades muito semelhantes às da fibra de vidro, embora custe o dobro. É eficiente na absorção de humidade, repelente de insectos e pode ser tratado de forma a retardar o fogo;
  • cortiça - é a opção mais natural de todas e vem diretamente do sobreiro, cuja casca (a cortiça) é processada para produzir um bom isolante térmico e acústico, muito eficaz na luta contra a humidade, que não liberta gases tóxicos em caso de incêndio e é completamente reutilizável e reciclável.

Como uma fibra natural de origem animal temos a de lã de ovelha, que é um excelente isolante térmico e ajuda a manter o interior das casas fresco no verão e quente no inverno.

É também um isolador de som e tem uma grande capacidade de absorver e ajustar as concentrações de agentes tóxicos.

Para além disso é muito respirável e, quando comprimida, cria numerosas bolsas que retêm o ar, mantendo a casa a boa temperatura, absorve a humidade do ar e é mais resistente ao fogo do que a maioria dos restantes materiais usados.

Em relação ao isolamento não basta isolar o interior das paredes duplas, há que ter em conta as partes das paredes - nomeadamente as vigas e pilares - que não beneficiam de isolamento térmico.

São as partes estruturais do edifício por onde as energias e humidades podem entrar ou sair, pois não se encontram isoladas. A isto dá-se o nome de pontes térmicas. Por isso não basta simplesmente isolar tetos, sótãos e pavimentos, sem paralelamente isolar as estruturas que estão nessas partes da casa, ou que são contíguas, e que podem assumir-se como pontes térmicas. Esta questão é importante em matéria de eficácia do isolamento térmico e para resolvê-la há que cobrir toda a envolvente do edifício, ou pelo menos, corrigir as pontes térmicas.

Uma casa está devidamente isolada quando esta tem capacidade de mitigar ou mesmo impedir a passagem de calor de espaços quentes para espaços mais frios, e também evitar a passagem de humidades. O isolamento permite, por um lado, evitar que durante o inverno o ar quente seja escoado para as divisões mais frias da casa e, por outro, que as divisões da moradia/apartamento aqueçam no verão, quando o calor exterior tenta invadir o lar.

Em suma, o bom isolamento alivia o trabalho dos sistemas de aquecimento/refrigeração, diminui os custos energéticos e contribui para tornar a casa mais pacífica, já que absorve parte do ruído.

Depois desta explicação, sente falta de algum isolamento na sua moradia?